Meu adorado Burning Wheel RPG! [NitroDungeon – Fotos]

Esse é o RPG que está explodindo o meu cérebro! Difícil de comprar (consegui a minha cópia na FRP Games (chegou numa boa, recomendo a loja!) mas doidimais!

Eu escutei primeiro sobre o Burning Wheel no ano passado, escutando o podcast dos Brilliant Gameologists (excelente!) e fiquei interessado pela maneira diferente de encarar o próprio RPG em si. O criador, um cara doidimais chamado Luke Crane, passou anos a fio desenvolvendo o sistema observando o que realmente acontecia na sua mesa de jogo, principalmente naquelas sessões que todo mundo curtia demais e onde tinha muita interpretação e emoção.

Com base nisso, ele foi desenvolvendo um sistema de RPG muito interessante, focado totalmente na criação coletiva da narrativa com base nas motivações, crenças e objetivos dos personagens (além de muitas outras coisas, como um sistema de combate mortal e narrativo, sistema de resolução de conflitos sociais, um sistema de magia muito interessante e imprevisível, etc.). São muitas idéias diferentes e inspiradoras presentes nos dois livros básicos, o Burning Wheel Fantasy Roleplaying System (com as regras para mestrar o jogo, resolução de conflitos, etc.) e o Character Burner (com as regras para criação de personagens por meio de Lifepaths (ainda vou postar sobre isso, é um mini-jogo dentro do RPG), etc.

O Burning Wheel não possui cenário básico, apesar de ser todo feito para narrativas de fantasia clássica estilo Tolkien (apesar de já existirem uma porrada de cenários diferentes, desde Pós-Apocalíptico, Impérios Espaciais, Japão Medieval, etc.). Ele usa um sistema de resolução por parada de dados (usa-se d6) e um sistema de experiência prévia (os lifepaths) para criar personagens (bem ultra simplão é o seguinte, você vai escolhendo o que o seu  personagem fez desde que nasceu até o momento em que começa a aventura, e vê que tipos de perícia ele aprendeu, mas tem uma mecânica bem legal por traz disso).

Os dois livros são:

Burning Wheel Fantasy Roleplaying System

Básico que contem as regras para jogar, mas não tem a parte de criação de personagens.

Character Burner

Livro que contém as Lifepaths de Humanos, Anões, Elfos e Orks (e são orks muito interessantes, medonhos e diferentes dos tradicionais, lembram um pouco os Uruk-ai) e as regras para criar os personagens.

Além desses dois, já existem o Monster Burner (para criar monstros e com vários monstros prontos) e o Magic Burner (uma expansão das regras de magia). Mas o pessoal joga mais com os dois básicos mesmos, tem tudo que o mestre precisa.

O Mouse Guard RPG, também escrito por Luke Crane e que ganhou uma carayada de prêmios de RPG usa um sistema derivado do sistema do Burning Wheel. O próprio Luke Crane diz que o sistema do Mouse Guard não é um “Burning Wheel Light” mas um sistema derivado do original.

Mais pra frente eu posto mais detalhes do Burning Wheel, à medida que for lendo os livros! :)

Segue as fotos dos dois livros (que tem um layout e design bem diferente do comum para RPGs, eles tem a forma de livros normais, como romances e são grossões!). A arte é bem legal e feita no bico de pena, o que dá um ar meio “crássico” para a bagaça!”

____________________________________________

Contato

____________________________

Outros Artigos

 

14 comentários

  1. Valeu Pedro, eu só joguei hero uma vez, e não conheço o iron heroes. Eu li o WoD do Monte Cook e achei bem legal!

    Um abraço!

  2. E aí não rolou nada com ele. Eu pedi um desses tbm. E minha mesa tah doida para jogar, pq tem a opção de tudo ser resolvido com argumentos e rolangens de dados!

    Fiz um artigo (post na Spell) e postei uma resenha do site RPG.net

    http://www.spellrpg.com.br/forum/viewtopic.php?f=16&t=5620 aqui

    Espero que você possa falar sobre o Hero System e o Iron Heroes. Além do WoD by titio Monte Cook

  3. Já comprei ele também, só pelas coisas que eu já ouvi falar.
    Enquanto o meu não chega vai mandando brasa aí Nitrão to interessadíssimo na bagaça

  4. Interessante, vou continuar acompanhando. Realmente, jogador que não quer testar nada novo é complicado…

  5. Rodrigo, o Burning Wheel é bem diferentão mesmo, o difícil e convencer os jogadores a tentarem algo bem diferente do que eles estão acostumados! :)

  6. Poxa, parece ser um RPG muito bacana mesmo, fiquei interessando em conhecer.

  7. Você compra da mesma forma que na Amazon, faz uma conta, seleciona o que quer comprar e faz o checkout colocando o número do seu cartão.

    Eu não arrisco com outra coisa a não ser livros,pois livros não tem imposto de importação.

    Valeu pelo comentário!

  8. Nitro, queria saber como vc compra nessa FRP Games. Dá pra comprar outras coisas fora o livro? Impostos são caros, frete?

    E parabéns pelos materiais. É doidimais!!!!!

  9. Já ouvi falar muito do Mortal Coil, esse tá na lista também! :) Já escutei uns três podcasts sobre ele e um com uma entrevista com o criador, que fez o jogo porque não conseguia fazer o que queria no cenários antigos da White Wolf. :)

  10. Realmente o Burning Wheel é muito bom, consegui a coleção toda na Noble Knight, fico doidin de tanta informação nova que o kra passa, achei algumas mecânicas estranhas, mas deixarei para falar delas quando fizer meu teste com Reinos de Ferro.

    Ow Nitro, outro rpg que achei doidimais foi o Mortal Coil, tb comprei na Noble Knight, o livro é bem pequeno, bem voltado para representação e totalmente voltado a narrativa cooperativa. O cenário mestrado é criado durante o jogo (tem mecânica para isso) e não só pelo GM.

  11. Valeu pelo comentário! :)

    Esse é o Burning Wheel Revised, a edição mais recente. O Mouse Guard, segundo o próprio Luke Crane, não é Burning Wheel, é uma versão adaptada e muito modificada para o cenário do Mouse Guard, um sistema feito para o cenário, com até mesmo regras específicas para personagens ratos.

    O Burning Wheel é muito mais amplo, a proposta é outra, é mais genérico e mais focado em fantasia medieval e na criação coletiva de narrativa, com os jogadores criando parte da história. É bem baseado na fantasia medieval Tolkeniana e tem um esquema mais livre, enquanto o Mouse Guard (o pouco que pude ler) é algo bem mais focado e estruturado (tem as estações do ano, etc.).

    O próprio Luke Crane, em uma entrevista, disse que o Mouse Guard não é Burning Wheel, o jogo possui algumas mecânicas mas ele criou outras e modificou muito para se adequar ao cenário e ao tipo de experiência de jogo. E pelo que pude ver, o sistema é bem mais simplificado e mais limitado, com uma estrutura mais rígida de cenas, etc.

    Eu também foi comprar o Mouse Guard, hahahaha, se eu puder eu compro tudo que o Luke Crane escreva! :)

    Assim que for lendo mais a fundo o Burning Wheel, eu vou postando aqui no blog, como estou fazendo.

  12. É o Revised? Eu tava querendo comprar, mas vi uma crítica falando que o Mouse Guard (que eu já comprei) é a versão mais bem feita do BW. Como se fosse a 4a. Ed. (BW, BW Revised, Burning Empires e Mouse Guard).

    Poderia dar sua opinião em relação à comparação do BW “cru” e o BW do Mouse Guard?

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s