Boca do Inferno – Ana Miranda , Dois Livros do Carl Gustav Jung e 100 Ways to Improve your Writing! – Gary Provost | NITROLEITURAS #resenhas

Três livros muito legais lidos na última semana, um romance histórico-literário brasileiro da Ana Miranda, um guia do Gary Provost, um professor de escrita criativa lendário dos EUA, “”Memórias, Sonhos e Relexões” que é uma autobiografia famosíssima do véio Carl Gustav Jung .

Também li o seu lendário “O Homem e Seus Símbolos” , o discípulo mais DOIDIMAIS do Freud, e meu guruzão pessoal!


Boca do Inferno – Ana Miranda | Companhia das Letras, 1989, 331 páginas | Lido de 03.06.16 a 05.06.16

Boca do inferno - Ana Miranda


SINOPSE
Salvador, final do século XVII. Nessa cidade de desmandos e devassidão desenrola-se a trama de Boca do Inferno, recriação de uma época turbulenta centrada na feroz luta pelo poder que opôs o governador Antonio de Souza Menezes, o temível Braço de Prata, à facção liderada por Bernardo Vieira Ravasco, da qual faziam parte o padre Antonio Vieira e o poeta Gregório de Matos. Com uma linguagem rica e precisa, e uma narrativa de extraordinária agilidade, Ana Miranda trabalha em filigrana os pontos de contato entre ficção e história, mostrando em todo o seu vigor a vida de homens e mulheres dilacerados entre o prazer e o pecado, o céu e o inferno.


RESENHA

Meu primeiro contato com o trabalho de Ana Miranda, e, de cara, já vejo uma dedicatória ao Rubem Fonseca, o grande mestre Rubão. E dá para sentir a influência do Rubão na prosa de Ana Mirandas, que parece ter imbuído sua narrativa histórica com algo da crueldade e violência da obra de Fonseca.

É realmente um livro muito bom, merece a fama que tem, por tornar o que poderia ser um romance histórico em algo completamente relevante para o presente. É uma espécie de “O Nome da Rosa” brasileiro, a história de Gregório de Matos e do Padre Antônio Vieira, junto com o conturbado contexto histórico baiano do final do século XVII, serve como uma forma de comentar, compreender e criticar a eterna cultura da corrupção entre os poderosos brasileiros, com todas as peculiaridades da nossa forma tropical de fazer falcatruas.

A prosa é maravilhosa, a narrativa passeia por vários personagens, misturando momentos de exposição muito bem escritos com uma trama de conspiração e assassinato que deixa o livro bem gostoso de ler.

É um livro de pegada literária, com exploração de personagem, muita informação sobre o período, descrições magistrais do dia a dia baiano da época, cenas de violência e escatologia explícitas, talvez pela influência do mestre Rubem Fonseca, discussões filosóficas e teológicas da época.

Os temas abordados são também interessantíssimos; nesse livro conheci mais sobre o padre Antônio Vieira, uma figura muito avançada para a época. O drama dos judeus exilados no Brasil (e eu sou neto de judeus exilados nas Minas Gerais) é outro aspecto que me chamou atenção, quero até ler mais sobre isso.

Boca do Inferno tem também um vilão sensacional, o Antônio de Souza Menezes, o Braço de Prata (o cara teve o braço amputado em batalha, doidimais!), que é uma espécie de Poderoso Chefão do período. E, é claro, o figuraça do Gregório de Matos, um poeta PUNK pra caray, detonava os poderosos com seus versos, e se entregava totalmente para a vida boêmia e para o seu vício principal, as mulheres!

Curti muito e recomendo!


RECOMENDAÇÃO

Recomendo para quem:
Curte romances literários, com liguagem elaborada e foco na caracterização e na crítica social.

Queira conhecer mais sobre a história do Brasil, ver as raízes da podreira política em que estamos metidos atualmente.

Queira conhecer duas figuraças da nossa história, o Padre Antônio Vieira e o Gregório de Matos.

Quem curte literatura de alta qualidade, que mistura o romance histórico com uma literatura de pensamento e crítica social, e que, ainda de quebra, tem uma trama envolvente, com cenas de ação, conspirações, vilões, traições e temperada com a cultura de mutretagem dos poderosos brasileiros (e portugueses).


TRECHOS DOIDIMAIS

“Estive pensando em fazer um concurso de conas”, disse Gregório de Matos.
“Meretrizes, senhoras casadas, donzelas arrependidas, mulheres nervosas, solitárias, ingênuas, desesperadas, interesseiras, mulheres casadas com cornos, insatisfeitas, todas podem participar. Depois escolheremos a rainha das putas. A melhor na fornicação. Examinarei todas as putanas, rascoas, cadelas, cós, ancas, traseiros, ah, ainda vou escrever sobre isso. É o único mote merecedor de uma poesia. Ode à urina, soneto aos eus, poema às eriças, romance às gretas, elegia à porra.”

“Ora, tu não estás falando sério!”, disse Gonçalo Ravasco.

“Não? Então lê isto.” Gregório de Matos tirou um papel do bolso.

Gonçalo Ravasco leu.

“Meu Deus”, disse depois Gonçalo Ravasco, “foi para isso que estudaste tanto?”

“Foi. Estudei para ir direto para o inferno”, disse Gregório de Matos. “Ah, esqueci-me que tu achas que inferno não existe. Isso te leva, no final de tudo, ao mesmo lugar que a mim.”

“Não existe inferno depois da vida”, disse Gonçalo Ravasco.

Boca do Inferno – Ana Miranda


Gordo o seguia à distância. Sentiu fome. Gostava de comprar cachos inteiros de bananas d”ouro, que comia a caminho de casa ou do trabalho, jogando as cascas por sobre os ombros.

Meteu a mão na algibeira, tirou um pedaço de rapadura de engenho e comeu-o, não chupando os pedaços como se costumava fazer, mas mastigando com seus dentes miúdos e redondos, muito juntos e enegrecidos. Depois retirou uma laranja, descascou-a com o punhal deixando a pele branca e comeu os pedaços, cuspindo os caroços para os lados.

Trazia sempre consigo cartuchos com carne assada e farinha de mandioca pisada no pilão e quando sentia fome tirava uma porção e a enfiava na boca, sem interromper o que estivesse ocupando-o no momento. Os cartuchos iam se esvaziando durante o dia e o Gordo ia jogando-os no chão.

Se alguém o procurasse, seguiria facilmente seu rastro através dos resíduos que ia atirando à rua: sobras de gergelim pilado, cascas de noz de Pachira, amêndoas de palmeiras, espinhas de peixinhos salpresos, talos de pimenta, vértebras de animaizinhos caçados, nervos do aferventado de bode, o saquitel de bolachas, a folha que enrolava a farinha com manteiga. Quando avisado, dizia não acreditar nas consequências mágicas que esses resíduos poderiam atrair se caíssem nas mãos de inimigos e se esses inimigos fossem conhecedores de ritos de magia.

Almoçava peixe, cabrito, vaca, carneiro, galinha, aves, caça, o que fosse possível trazer-se à mesa. Nunca se sentia empanturrado, empachado, enfartado; nunca sentia os rins, o estômago, nem cólicas, ou distúrbios.

Parecia ter uma saúde tão boa como a dos anjos do céu. Nunca tinha coceiras, esquentamento, brotoejas, dor no fígado, diarreias, moléstias de pele, tosse, indigestão.

Ignorava os conselhos de não tomar banho após uma farta refeição. Tomava leite com manga, água depois do café, comia bolo quente, fruta de vez, melancia quente, jaca dura, peixe de couro, caroço de limão, comida requentada, banhas de carne de vaca, pele de galinha tostada, e dizia que seu segredo era cortar tudo com um púcaro de aguardente de engenho. Só temia a Deus e aos santos. E ao demônio.

Boca do Inferno – Ana Miranda


100 Ways to Improve Your Writing | Signet, 1985, 175 páginas | Lido de 05.06.16 a 06.06.16

A1OaLC-42FL
SINOPSE
Um guia para todos aqueles que escrevem, escrito por Gary Provost

RESENHA
Curtinho e direto, muito recomendado em blogs gringos para escritores. É um daqueles livros que fala o que você já sabe mas de uma maneira diferente, e no caso do Gary, muito engraçada!

TRECHOS
Todo escritor sofre para começar uma sessão de escrita, o difícil é começar (achei bem legal o Gary falar isso, eu achei que era comigo). A dica é usar tempos maiores para a escrita, ou seja, sentou, tente escrever por 1 hora direto.

Escreva, reescreva, reescreva, e corte, corte, corte, deixado o que importa. E releia tudo de novo! :)

“This sentence has five words. Here are five more words. Five-word sentences are fine. But several together become monotonous. Listen to what is happening. The writing is getting boring. The sound of it drones. It’s like a stuck record. The ear demands some variety.

Now listen. I vary the sentence length, and I create music. Music. The writing sings. It has a pleasant rhythm, a lilt, a harmony. I use short sentences. And I use sentences of medium length. And sometimes, when I am certain the reader is rested, I will engage him with a sentence of considerable length, a sentence that burns with energy and builds with all the impetus of a crescendo, the roll of the drums, the crash of the cymbals–sounds that say listen to this, it is important.” – Gary Provost

RECOMENDAÇÃO
Para quem curte escrever!
Para quem queira refrescar a memória com excelentes dicas para escrever.
Quem queira melhorar a escrita!


Memórias, Sonhos e Reflexões (Memories, Dreams and Reflections) – Carl Jung | Vintage Books Edition, 430 páginas| Lido de 06.06.16 a 07.06.16

tumblr_ns42ckNfNa1tv8s4go1_1280


SINOPSE
Reunidas e editadas poucos
anos antes da morte de Jung, por Aniela Jaffé, sua colaboradora, essas memórias se apresentam como uma autoanálise de um dos grandes pensadores da humanidade. Nelas, estão presentes fatos como a pesquisa do inconsciente como caminho do eu interior, as divergências da psiquiatria do princípio do século e as viagens à África.


RESENHA
A trajetória interna
de um dos maiores pensadores do século 20. Muito interessante a proposta do Jung de narrar as mudanças que ocorreram em sua alma, ao invés de se ligar a eventos históricos.

As passagens da infância e juventude são muito belas, a briga ideológica com Freud é fascinante também!

Um livro que pinga sabedoria de vida em cada página. Recomendo!


TRECHOS

“As a child I felt myself to be alone, and I am still, because I know things and must hint at things which others apparently know nothing of, and for the most part do not want to know.” – Carl Gustav Jung

“The acceptance of oneself is the essence of the whole moral problem and the epitome of a whole outlook on life. That I feed the hungry, that I forgive an insult, that I love my enemy in the name of Christ — all these are undoubtedly great virtues. What I do unto the least of my brethren, that I do unto Christ. But what if I should discover that the least among them all, the poorest of all the beggars, the most impudent of all the offenders, the very enemy himself — that these are within me, and that I myself stand in need of the alms of my own kindness — that I myself am the enemy who must be loved — what then? As a rule, the Christian’s attitude is then reversed; there is no longer any question of love or long-suffering; we say to the brother within us “Raca,” and condemn and rage against ourselves. We hide it from the world; we refuse to admit ever having met this least among the lowly in ourselves.” – Carl Gustav Jung


Man and His Symbols (O Homem e Seus Símbolos) – C.G. Jung | Dell, 1968, 432 pages | Lido de 07.06.16 a 08.06.16
man-and-his-symbols-carl-g-jung-1-638

SINOPSE
Inspirado em um sonho do autor e concluído apenas dez dias antes de sua morte, ‘O homem e seus símbolos’ constitui uma tentativa de expor os princípios fundamentais da psicologia analítica jungiana para o leitor, sem qualquer obrigatoriedade de conhecimento especializado.

Jung reuniu nesta obra artigos que tratam dos mais diferentes assuntos – dos sonhos e das artes plásticas até o relacionamento pessoal e a estrutura da personalidade humana. As páginas ilustradas desta edição revisada – com mais de quinhentas imagens – ajudam na compreensão.


RESENHA
Maravilhoso esse livro, releio sempre de tempos em tempos. Uma explicação acessível da teoria jungiana na psique. O livro resgata o maravilhoso e o fantástico mundo do inconsciente, e o torna relevante para a vida contemporânea e o bem estar psíquico. Recomendo para quem esteja interessado em autoconhecimento, símbolos, sonhos, mitologia, criação de histórias, e queira conhecer o trabalho do Jung!

TRECHOS

“The girl dreams she is dangerously ill. Suddenly birds come out of her skin and cover her completely … Swarms of gnats obscure the sun, the moon, and all the stars except one. That one start falls upon the dreamer.”
― C.G. Jung, Man and His Symbols

“Life is a battleground. It always has been, and always will be; and if it were not so, existence would come to an end.”
― C.G. Jung, Man and His Symbols

“Leonardo da Vinci wrote in his Notebooks: “It should not be hard for you to stop sometimes and look into the stains of walls, or ashes of a fire, or clouds, or mud or like places in which … you may find really marvelous ideas.”
― C.G. Jung, Man and His Symbols

“I myself found a fascinating example of this in Nietzsche’s book Thus Spake Zarathustra, where the author reproduces almost word for word an incident reported in a ship’s log for the year 1686. By sheer chance I had read this seaman’s yarn in a book published about 1835 (half a century before Nietzsche wrote); and when I found the similar passage in Thus Spake Zarathustra, I was struck by its peculiar style, which was different from Nietzsche’s usual language. I was convinced that Nietzsche must also have seen the old book, though he made no reference to it. I wrote to his sister, who was still alive, and she confirmed that she and her brother had in fact read the book together when he was 11 years old. I think, from the context, it is inconceivable that Nietzsche had any idea that he was plagiarizing this story. I believe that fifty years later it has unexpectedly slipped into focus in his conscious mind.”
― C.G. Jung, Man and His Symbols


erika-e-newton-ingles-por-skype

Érika & Newton – Inglês por Skype
Faça uma AULA EXPERIMENTAL GRATUITA!
Aulas TODOS OS DIAS, de 7 às 23 horas!

Érika de Pádua | Professora de Inglês – Aulas por Skype
WhatsApp: (31) 9223-5540 | Skype: erikadepadua@gmail.com
Linkedin: https://goo.gl/2c6QIb

Newton Rocha | Professor de Inglês – Aulas por Skype
WhatsApp: 9143-7388 | Skype: prof.newtonrocha@gmail.com
LinkedIin: https://goo.gl/7rajxF

Visite o nosso Blog Melhore Seu Inglês:
https://melhoreseuingles.wordpress.com/

Curta Nossa página no Facebook:
https://goo.gl/qcPQUK

Nosso Canal no Youtube – Melhore Seu Inglês:
https://goo.gl/KYns5i

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s