NITROLEITURAS: São Bernardo (1934) – Graciliano Ramos | A Visão de Mundo de um Coronel de Alagoas #resenha

Um livro fantástico, uma obra prima da linguagem de “osso e pedra” de Graciliano Ramos. São Bernardo merece a fama que tem, um livro enxuto e seco como o sertão de alagoas, e onde pude, pela primeira vez, mergulhar no ponto de vista de um tradicional “coronel” fazendeiro do Sertão de Alagoas.

O protagonista do livro, o brutal e ambicioso Paulo  Honório, é uma espécie de “self made man” nordestino, que, de origem miserável, se torna um importante fazendeiro do sertão de Alagoas, apenas para ver tudo aquilo que lutou e em que acreditou em vida ir desmoronando ao pouco, após conhecer e se casar com Madalena.


foto3_Capa_Sao_bernardo

É um livro-retrato que ao descrever com minúcias a alma de um dos “coronéis” alagoanos, faz também um comentário sobre a realidade do sertão do começo do século 20, com suas contradições, brutalidade, exploração de homem pelo homem, e os abusos das autoridades. E continua atualíssimo, visto que o nosso Brasil, em sua essência, continua o mesmo.

Sempre me admiro com o estilo seco de Graciliano, enxuto e direto. O livro é de uma secura total de metáforas e símiles, com nenhum tipo de embelezamento literário, mas ao mesmo tempo é de uma construção sofisticada, enquadrando a estrutura, os temas, o vocabulário, tudo colocado dentro da visão de mundo do Paulo Honório. E os símbolos estão por toda parte, como corujas, como os laranjais, e os homens-bichos, que é como Paulo Honório vê seus subalternos.

É também uma alegoria histórica, um comentário, acredito eu, da revolução de 30 e da agitação política de comunistas que aterrorizou e provocou reações violentas na elite política e econômica da época. Uma alegoria histórica que torna São Bernardo muito mais interessante do que os livros de história, porque permite uma experiência “de dentro”, desse período, e do eterno conflito brasileiro entre as correntes de pensamento progressista e as correntes de pensamento reacionário, porque apesar do Brasil ter mudado muito, ele continua a mesma encrenca de sempre.

Outro aspecto que me agradou muito, e la vai a dica para os escritores iniciantes, é o modo como Graciliano foca mais nos pensamentos de seus personagens do que em suas ações. Os monólogos interiores envolvem toda a narrativa, e que, em São Bernardo, ganha um aspecto mais metalinguístico, ou seja, além da história em si, o livro também é um comentário e uma reflexão do ato de escrever. Paulo Honório expõe, várias vezes, o que acredito ser o pensamento de Graciliano em relação à literatura; que esta deve ser mais próxima da oralidade, mais próxima da realidade, do modo como o homem comum fala, como ele sente, como ele experimenta o mundo.

É lindo demais esse livro, recomendo, não é muito longo, leiam, leiam!

gracilianofoto

TRECHOS DOIDIMAIS:

“Bichos. As criaturas que me serviram durante anos eram bichos. Havia bichos domésticos, como o Padilha, bichos do mato, como Casimiro Lopes, e muitos bichos para o serviço do campo, bois mansos. Os currais que se escoram uns aos outros, lá embaixo, tinham lâmpadas elétricas. E os bezerrinhos mais taludos soletravam a cartilha e aprendiam de cor os mandamentos da lei de Deus.

Bichos. Alguns mudaram de espécie e estão no exército, volvendo à esquerda, volvendo à direita, fazendo sentinela. Outros buscaram pastos diferentes.

Se eu povoasse os currais, teria boas safras, depositaria dinheiro nos bancos, compraria mais terra e construiria novos currais. Para quê? Nada disso me traria satisfação.

Coloquei-me acima da minha classe, creio que me elevei bastante. Como lhes disse, fui guia de cego, vendedor de doce e trabalhador alugado. Estou convencido de que nenhum desses ofícios me daria os recursos intelectuais necessários para engendrar esta narrativa. Magra, de acordo, mas em momentos de otimismo suponho que há nela pedaços melhores que a literatura do Gondim. Sou, pois, superior a mestre Caetano e a outros semelhantes. Considerando, porém, que os enfeites do meu espírito se reduzem a farrapos de conhecimentos apanhados sem escolha e mal cosidos, devo confessar que a superioridade que me envaidece é bem mesquinha.”

GRACILIANO RAMOS, São Bernardo (1934)

NITROLEITURAS: São Bernardo (1934) – Graciliano Ramos – 269 páginas

Período de Leitura: 07.07.2015 a 08.07.2015

ONDE COMPRAR:

São Bernardo na Amazon

http://www.amazon.com.br/dp/B00A3D92P8

PRÓXIMAS LEITURAS

NITROLEITURAS: The Scar – New Crobuzon #2 (2000) – China Miéville – 795 páginas
E de volta para Nova Crobuzon com The Scar, do China Miéville, piratas steampunk em um mundo com mais raças de seres conscientes do que estrelas no céu! :)

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s