Resenha: Trilogia Broken Empire – Prince of Thorns,King of Thorns,Emperor of Thorns – Um Breaking Bad Medieval! #nitroblog

Imagine uma série de fantasia onde o protagonista é um sociopata, capaz de fazer qualquer coisa para realizar suas ambições. Qualquer coisa mesmo, seja matar inocentes, estuprar, cometer os mais diversos tipos de “icídios”, parricídio, fraticídio, infanticídio, etc. Imagine que isso tudo acontece em um mundo medieval brutal que esconde um grande mistério para explicar sua própria existência. Esse é um resumo do que encontrei na trilogia Broken Empire: Prince of Thorns, King of Thorns e Emperor of Thorns. Thorns é “espinho” em inglês, e resume bem a saga, um caminhar entre os espinhos, a jornada de um anti-herói. Ou melhor, uma inversão da jornada do herói, uma espécie de jornada do vilão. Um Breaking Bad medieval.

Prince-of-Thorns

KOT2
81ga4vdhbgl-_sl1500_

3cover2

A trilogia Broken Empire começou com o livro de estreia de Mark Lawrence, Prince of Thorns, que causou um grande furor na comunidade de fãs de fantasia. O livro foi até mesmo oferecido pela editora com uma promoção para quem comprasse o último livro do George R.R. Martin, o Dance of Dragons. Uma das promoções dizia que Mark Lawrence seria a resposta britânica para Martin, comparando o Prince of Thorns com a saga Ice and Fire.

Apesar das duas sagas seguirem a linha da fantasia medieval suja, realista e brutal, os livros são muito diferentes entre si. Ao invés dos múltiplos protagonistas da saga de Martin, na trilogia Broken Empire seguimos apenas Jorg, um príncipe amoral, sociopata, e que, graças a maestria da narrativa de Mark Lawrence, se torna um personagem muito interessante e completo. Mark segue de perto a frase máxima do mestre Larry Elmore, “homens maus não são maus o tempo todo”.

A narrativa é feita em primeira pessoa, colocando o leitor dentro da mente de um monstro.

Junto com Jorg, nos aliamos a um bando de mercenários, cometemos os mais horrendos crimes e nos justificamos por um desejo de vingança e uma sensação de superioridade intelectual frente a seres humanos que consideramos limitados por se aterem as convenções morais, éticas e de tradição. Ou seja, não é uma história para qualquer leitor.

Eu achei doidimais!

Os três livros colocam Jorg em uma jornada de amadurecimento, porém um amadurecimento completamente amoral e irregular, e que acompanha a degeneração do mundo em sua volta com um fortalecimento de suas convicções e autoconfiança. Enquanto em outros romances de fantasia, heróis e anti-heróis são traídos, na trilogia Broken Empire é Jorg quem pratica atos de traição.

As resenhas que encontrei na internet mostram como a obra é controversa. Apesar de a maioria exaltar a obra, muitos leitores rejeitaram completamente o protagonista, que é mais vilão do que um anti-herói, principalmente no primeiro livro. Fica então o aviso para quem for ler, pegue uma amostra na Amazon, leia as primeiras páginas (que já são chocantes) e veja se você quer seguir nessa jornada sombria.

A medida que a história segue o universo medieval da narrativa vai revelando seus mistérios. Esse é um dos pontos que mais curti do cenário da narrativa, existe um segredo por trás de tudo que acontece. Eu fiquei completamente perdido em alguns momentos, mas ao chegar ao terceiro livro, muita coisa se encaixa e me surpreendi com a complexidade e a capacidade de criação de mundos do Mark Lawrence. O cenário da trama é muito detalhado, um mundo fascinante que não vou descrever muito para não dar spoilers. E pelo título do próximo livro do Mark Lawrence, The Red Queen’s War, imagino que ele vai continuar a escrever nesse cenário.

A narrativa da trilogia não é linear, indo e voltando no tempo. Muitas vezes me perdi no que estava acontecendo, e apesar de não gostar muito de flashbacks, o recurso é bem utilizado nos livros. O mecanismo na narrativa cria um efeito parecido com o filme Memento http://pt.wikipedia.org/wiki/Memento_(filme) . Eu teria preferido algo mais linear, mas, principalmente no segundo livro, existe uma razão narrativa para o uso desse recurso.

Um das partes mais legais da trilogia, e que dá um aspecto mais literário na narrativa, é como os acontecimentos são ligados e observados por dentro da alma de Jorg. O universo de Broken Empire é visto pela visão de Jorg, e como ele é um narrador de primeira pessoa, muito do que é descrito é filtrado pela personalidade arrogante e egoísta do protagonista.

Como mais um exemplo da nova literatura de fantasia (que de nova não tem nada, para mim é apenas uma volta ao experimentalismo da literatura de fantasia e ficção dos anos 60 e 70), a trilogia almeja explorar aspectos mais complexos da psicologia humana. Jorg questiona sua posição dentro do mundo, procurando ver até onde ele consegue ir caminhando contra os ideais morais e éticos da sociedade, fazendo impor sua vontade individual contra a vontade coletiva.

A saga também mostra o preço em humanidade pago por quem trilha um caminho de crueldade, violência e egoísmo. Jorg, assim como Walter White em Breaking Bad, vive no limiar entre o bem e o mal, hora agindo de acordo com seu egoísmo, hora apresentando ainda restos de humanidade. É essa variação, essa ondulação entre humanidade e monstruosidade que o torna um personagem interessante, e responsável por um dos maiores sucessos de vendas dos últimos tempos.

Mesmo mantendo sua brutalidade, Jorg vai progressivamente sendo tocado pelas relações humanas que tem. Mesmo mantendo um grande egoísmo, ele vai progressivamente sofrendo  rachaduras em sua armadura egóica. O livro mostra que até mesmo monstros amadurecem, e as motivações da juventude se transformam com o tempo.

Recomendo a trilogia Broken War com reservas. Os temas são muito pesados, Jorg é tão cruel que as vezes eu até mesmo me antipatizei com sua arrogância, mas mesmo assim continuei a ler, para ver até onde iria a narrativa, uma versão sombria da jornada do herói, ou melhor, a jornada de um vilão até se tornar um anti-herói.

Toda a trilogia pode ser resumida nessa frase:

`Dark times call for dark choices. Choose me.’ – “Tempos sombrio pedem para escolhas sombrias. Escolha-me.”

Eu escolhi e não me arrependi!

Livros na Amazon, para Kindle:

Prince of Thorns

http://www.amazon.com/Prince-Thorns-The-Broken-Empire/dp/0441020321/ref=cm_cr_pr_product_top

King of Thorns

http://www.amazon.com/King-Thorns-The-Broken-Empire/dp/B00D9T9JCO/ref=pd_bxgy_b_img_y

Emperor of Thorns

http://www.amazon.com/Emperor-Thorns-The-Broken-Empire/dp/0425256855/ref=pd_bxgy_b_img_y

8 comentários em “Resenha: Trilogia Broken Empire – Prince of Thorns,King of Thorns,Emperor of Thorns – Um Breaking Bad Medieval! #nitroblog

  1. Eu já li uns 20 capítulos e to pensando em parar, deixar para um outro momento.
    É complicado ler um livro em primeira pessoa quando você não consegue ter nem um pouco de simpatia pelo personagem.
    Outra coisa que me incomodou muito – sendo para mim até incoerente – são as atitudes, pensamentos e diálogos de um personagem de 10 anos de idade. Se o autor não forçasse em te lembrar em vários momentos que ele só é uma criança, você leria pensando que o personagem era um homem feito.

  2. Muito obrigado pelo seu comentário Lucas. Realmente é um livro desafiador, eu gostei muito, mas eu entendo, tem livro que não encaixa com a gente. Valeu! :D

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s