NitroContos #1: “Luz no Caminho” [NitroDungeon – Contos de Horror]

NitroContos é uma série de posts com contos de fantasia, ficção, horror e bizarros para inspirar mestres e jogadores de RPG! :) O de hoje dá para ser um histórico de um vilão para jogos de horror contemporâneo! :)

"Budda Head" - Just-Joking - Deviant Art
"Budda Head" - Just-Joking - Deviant Art

______________________________________

LUZ NO CAMINHO

Iluminação, Consciência Cósmica, Nirvana.

Graças aos Céus, não precisamos mais escalar Himalaias para isso.

Os novos iluminados irão surgir nas casas comuns da nossa sociedade viciada em informação . Eu sei, eu sou a prova viva disso.

Sou um Iluminado.

É certo que jamais pensara em mim como um homem perfeito, principalmente depois de ter ficado desempregado.

Mas foi a perda do emprego que me mostrou o Caminho. Ficava em casa todos os dias, (sozinho, pois Vivian trabalhava fora), e assistia televisão. O meu Mestre.

De início, leigo no Caminho, selecionava os programas que queria assistir. Nunca tinha ligado para isso, tinha apenas alguns mirrados canais, que não satisfaziam minhas necessidades de ócio.

Mas sem ninguém para conversar, com Vivian fora, comecei a passar dias inteiros assistindo programas dos mais variados, diretos, sem pensar no que estava vendo.

Depois de semanas assim, algo de estranho começou à acontecer; uma paz imensa, uma beatitude, surgia em minha mente em certos momentos que assistia a TV sem pensar em nada. Era uma sensação de totalidade, uma sensação de felicidade espiritual.

Chamei-a de Nulidade. Era tão fugaz e sua sensação tão fenomenal, que tratei de empenhar-me em compreendê-la.

É claro que Vivian não entendeu. Como ela podia ver que eu não queria mais trabalhar, que iria buscar a Nulidade Completa, que sentado em frente à minha televisão estava empreendendo uma busca espiritual?

Como ela podia entender porque vendi meu carro para comprar uma TV High Resolution Panasonic Wide-Screen, com som estéreo-surround, ligada à Direct TV VIP com mais de 200 canais à minha disposição?

Ela me abandonou depois de alguns meses e muitos quilos. Disse-me que eu já não saía mais da sala da televisão, que estava ficando muito gordo, que só queria saber de comer e assistir tudo que viesse na tela.

Não reclamei.

Na noite em que ela se fora , uma nóva minissérie estava estreiando em meu canal favorito. Tinha pedido para ela sair no intervalo comercial (que com sacrifício não iria ver), mas ela nem ligou.

Fiquei triste mas feliz, agora podia percorrer o Caminho com mais tranquilidade. Vocês acham que Jesus iria para o deserto se tivesse uma mulher?

E Sidarta? E Moisés? O caminho dos Iluminados é um caminho solitário…

Ela me largara e a casa virou um campo de caça para as baratas. Não arrumo, não quero arrumar, não tenho tempo de arrumar. Cada minuto longe da Tela é um minuto longe da Nulidade, é um martírio.

Paguei um garoto para comprar minhas comidas e minhas cervejas.

Ele jogava dentro da casa por um tubo que criei ligando a rua com a geladeira.

O telefone ficava sempre ao meu alcance, do lado do braço esquerdo da poltrona. Usava sempre a mesma roupa, um training enorme e uma camiseta adidas mais enorme ainda. Podia engordar cada vez mais.

Não saía mais na rua, sentia que o contato com o mundo me afastava mais da Nulidade. Meu mundo existia no mudar dos canais, entre as milhares novelas, programas de audidórios, filmes , reportagens, videoclips, desenhos animados, propagagandas, séries de tv e tudo mais que a Nulidade mostrava aos meus olhos. Eu assistia vendo a verdade por trás dos pixels, escutando a harmonia das esferas no tubo de raios, o pulsar dos elétrons sendo bombardeados no meu rosto gordo.

E cada dia , cada hora que passava em frente à Tela, sentia meus sentidos se transformando. Me considerava um monge, um hermitão em retiro, contemplando… Sentia a Nulidade Completa se aproximando, minha TV um Mestre paciente e constante.

Meu corpo tinha inchava, estava muito gordo, desmasiadamente gordo, mas não importava. Era o preço do Caminho que escolhera. Não precisava mais dele, tinha meus olhos, tinham meus dedos para trocar os canais. Podia ser todos aqueles coloridos e elétricos personagens de luz da tela.

Heróis, bandidos, moças, estrelas de rock, repórteres, me projetava em todos eles, era parte do prazer da Nulidade.

Até que um dia, sentado em minha poltrona, senti minha bexiga cheia. Era mais um dos raros momentos em que eu me levantava. Aproveitava também para ir na geladeira e pegar mais comida.

Tentei levantar-me quando uma náusea enorme me atingiu e cai no chão de quatro, minha enorme barriga encostando no carpete sujo de restos de comida. Desde que Vivian foi embora, não arrumava mais a casa. Não tinha tempo.

A náusea era muito forte e senti minha bexiga ameaçando se abrir em plena sala. “Droga”, pensei enquanto procurava me arrastar até o banheiro.

No primeiro movimento, senti meu ânus se contrair e senti meu intestino cheio. Meus braços, enfraquecidos com o esforço de sustentar meu peso de quatro, ameaçavam colapsar no chão.

Mumurei um __ Ah meu Deus…__ quando minha bexiga não aguentou e se soltou, molhando completamente o training que eu usava diariamente.

Meus braços cederam e eu caí no chão, meu peito gordo assimilando o impacto da queda, que foi suficiente para meu ânus ceder.

Uma explosão de merda e mijo inundava minhas pernas e senti-me completamente enfraquecido. Acho que devo ter desmaiado por algum tempo.

Acordei ainda no chão, a televisão ligada no que parecia ser um programa de calouros francês. Fiquei deitado por alguns minutos, entretido pela breve Nulidade que sentia , até que o comercial me trouxe o problema imediato: como voltar para minha poltrona.

Levantei um dos meus braços gordos, as camadas de gordura vibrando à cada movimento. A náusea ainda persistia, e estava mais forte.

Segurei o braço da poltrona com toda a força que ainda restava em meu corpo, e consegui içar-me de volta, sentindo minhs pernas escorrerem com a imundície que tinha causado à mim mesmo.

No momento em que sentei na poltrona, a náusea passou. Sentia-me melhor. Do meu lado, o controle remoto me esperava. Com ele estava bem, depois pensaria em como lavar-me. Mas agora tinha que retornar à Nulidade, milhares de programas aguardavam minha contemplação. O desconforto de meu corpo dificutava silenciar minha mente.

Depois de muitas horas , vendo o Frugal’ Gourmet, lembrei-me que tinha que me alimentar. Tentei novamente levantar, mas a náusea retornara mais forte ainda. “Vou morrer de fome aqui… ” , pensava, enquanto mudava rapidamente de canais.

Assistia mais e mais, absorvendo a dança das luzes, os movimentos, os programas, os canais. Acabei esquecendo a fome.

Às duas horas da manhã, assistindo um programa de reportagem sobre travestis, adormeci. Quando acordei, já era de tarde, a TV ligada com um comentarista esportivo falando sobre o último campeonato.

Sentia fome novamente. Apoiei meus braços na poltrona e comecei a me levantar.Estava quase de pé quando minhas pernas cederam. Realmente.

Elas partiram como dois enormes queijos, caindo para frente e fazendo com que eu aterrizasse na poltrona. Não sentia dor. Parecia que estava em um daqueles filmes B de terror que passam no Sci-Fi channel.

Achei estranho ver minha carne se abrindo e se quebrando assim, um pouco de sangue e pus molhando meu training. Com minhas mãos, rasguei o training na altura das coxas e vi minha carne gorda e brilhante, com um brilho azul saindo das extremidades.

Por curiosidade, assim como quando nós cutucamos uma espinha que acabara de estourar, encostei o dedo na carne aberta.

Senti apenas tato, não dor. Estava mais confuso do que aterrorizado. Não entendia o que estava acontecendo.

Parecia um caso hiperbólico de lepra. Comecei a ficar confuso e a sentir medo. Mas as imagens dançavam na minha frente, e meu controle remoto ainda estava em minha mão, e isso me acalmava.

Mais um pouco e a Nulidade me tinha novamente, mais intensa e longa do que antes.

Sentia fome e a impossibilidade de ir à geladeira fazia-a aumentar.

E foi aumentando tanto que acabou por sumir, submersa na Nulidade.

Assistia, assistia e assistia, minha mente agora mais concentrada do que nunca nos canais, mergulhando em um silêncio completo. Meus olhos começaram a parar de piscar, ficavam totalmente abertos.

A Nulidade se abrindo em novas e mais profundas camadas de inércia mental.

Com o tempo, meus braços começaram a sofrer mutações. O braço que eu segurava o controle encolhera e apodrecera, meus dedos se unindo deixando apenas o polegar para tocar nos botões.

O outro braço acabara por cair de meu corpo, que inchava e se misturava na poltrona.

Da minha enorme e gelatinosa barriga começou a sair um tentáculo, que logo depois percebi ser o meu intestino, transformado. Saiu da minha barriga e desceu pelo meu corpo, com uma pequena garra se formando na sua extremidade. No chão, foi se arrastando em direção à cozinha, em busca de comida.

E cerveja, é claro.

A comida me deu novas forças e continuei com minhas práticas contemplativas.

Conseguia ficar completamente imóvel por dias, apenas as funções corporais funcionando, o meu longo intestino alimentando e defecando idependente de meu organismo. Minha respiração se tornara mínima, minha contemplação dos programas de televisão quase perfeita. A mão do controle era a única parte do meu corpo que se mexia. Mas a Nulidade Completa já não me satisfazia mais.

Comecei a mudar de canais cada vez mais rápido, pegando partes cada vez menores de todos os programas. Cada vez mais rápido, mais rápido. Até que conseguia ver todos os programas ao mesmo tempo, mudando os canais à uma velocidade impossível.

Em meio à esse êxtase televisonário, senti um líquido descendo por meu nariz.

Pelo reflexo na tela percebi que era o meu cérebro, que estava se derretendo e escorrendo de meu crânio.

Ao mesmo tempo, em meio ao frenesi de imagens, percebi que o que mais se repetia era a estática, o “fora do ar”.

Meu obeso e irreconhecível corpo foi tomado por várias convulsões frente a revelação: OS CANAIS VIERAM DA ESTÁTICA E É PARA A ESTÁTICA QUE RETORNARÃO… Tinha que dar o próximo passo no Caminho… Tinha que me tornar Estática…

E com um leve toque no botão OFF do meu controle, desliguei-me junto com minha televisão, e me tornei o TELE BUDA ESTÁTICO. Nirvanazzzshhhssshhhhhzzz!!….

OM MANI PADME HUM!

FIM

____________________________

Contato

____________________________

Outros Artigos

Anúncios

9 comentários

  1. gostei do conto me fez viajar com a leitura , era isso q eu precisava hj , não sabia o q era mas agora eu sei .ler isso. preciso de algo novo pra manhã

  2. Caraca! Tio nitro essa foi de arrasar! Estava justamente pensando em uma campanha de horror e precisava de um vilão bem louco e então bam! Aparece TELE BUDA ESTÁTICO!

  3. parabens pelo conto tio nitro muito bom mesmo, dá pra tirar altas ideias para aventuras em tempos modernos com ele, além disso ainda dá pra usar como uma critica forte e bem trash do hábito de apenas assistir televisão muito bom mesmo!

    OBS: Se puder dá uma passada lá no meu blog valeu!

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s