Como Mestrar para Iniciantes! (Artigos de RPG do Baú do Tio Nitro)

Muitos mestres e jogadores de RPG se preocupam com o preconceito em relação ao nosso hobby. Estão dispostos a defendê-lo em listas de discussão, em artigos de jornais, entrevistas, frente aos seus amigos e familiares. Porém, a melhor ação para acabar com o preconceito ao longo prazo é divulgá-lo, organizando sessões de demonstração para iniciantes.

No inicio é assim mesmo, a maior emoção é enfrentar um gigante roubando um pato! AHAHAHA!

No início é assim mesmo, a maior emoção é enfrentar um gigante roubando um pato! AHAHAHA!

A maioria dos mestres faz parte de grupos fechados de jogadores, onde raramente um iniciante é convidado a jogar. Se cada mestre tirasse um tempo para divulgar o hobby, mestrando para pessoas que podem se interessar pelo RPG, o preconceito diminuiria muito. E com o tempo, novos participantes dessa arte interativa de contar e participar de histórias verão como é divertido o RPG!

Não é nenhum sacrifício mestrar para iniciantes, pelo contrário, é uma experiência muito importante para o nosso desenvolvimento como mestres de RPG. Aprendi a ser mais flexível e criativo mestrando para pessoas que jamais tinham ouvido falar do RPG. Elas surgem com situações de jogo muito originais, e muitas vezes agem de maneira diferente das estratégias habituais dos jogadores veteranos. A capacidade de improvisar (uma das perícias mais valiosas para os mestres) é colocada à prova a todo instante.

Você pode se dedicar a mestrar partidas de demonstração em eventos de RPG ou de Anime. Ou convidar aqueles amigos que morrem de vontade de saber o que é esse tal de RPG para uma pequena partida. O RPG também é uma ferramenta educativa, podendo ser usado para ensinar história (entre outras matérias), o que seria um incentivo para montar grupos em uma sala de aula.

Ao convidar (ou ser intimado a mestrar por novatos interessados), aproveite o momento para explicar o que é o jogo de RPG. Cada mestre tem a sua definição, eu normalmente defino o RPG como sendo uma forma de se criar uma história em conjunto, onde os participantes assumem o papel dos personagens principais dessa história com exceção de uma pessoa, que faz o papel dos personagens coadjuvantes, elabora e descreve o cenário e a trama da história, que será modificada pelas ações dos personagens principais.

Se me perguntam sobre as regras e o aspecto de jogo do RPG, normalmente respondo que as regras existem para limitar o que os personagens principais e coadjuvantes da história podem fazer, e apesar dos personagens dos jogadores procurarem cumprir objetivos, como em um jogo, não existem ganhadores ou perdedores no RPG, pois o que se busca é criar uma história em conjunto. Tento sempre simplificar ao máximo a explicação, pois o ideal é que a pessoa jogue RPG para realmente entender como funciona.

Referências são ótimas para explicar RPG entre iniciantes. Ao citar filmes como Senhor dos Anéis, por exemplo, diga que no RPG os jogadores podem participar de histórias como a Saga do Anel e viver muitas aventuras!

Com a popularidade dos videogames fica mais fácil exemplificar a parte das regras do RPG. Você pode comparar os Pontos de Vida com a energia de um personagem de videogame, citar elementos que o RPG de mesa e os jogos eletrônicos (principalmente os de RPG) tem em comum como atributos básicos, níveis de personagens, etc.

Para iniciantes que gostam de jogos eletrônicos, você pode enfatizar as vantagens do RPG de mesa, como por exemplo a parte social (um motivo para encontrar com seus amigos), a liberdade de ação e de customização do personagem, a participação ativa na história, o trabalho da imaginação, o estímulo a criatividade, etc. Na minha opinião, a diferença entre o RPG de mesa e os eletrônicos se resume em uma frase: o que a gente imagina supera qualquer imagem feita por um artista, cineasta, programador, etc. E olhe que mesmo em casos como o dos filmes de Peter Jackson sobre a saga do Senhor dos Anéis, onde as imagens são espetaculares e impressionantes, o reino de Mordor que eu tinha imaginado era muito mais  horripilante do que as cenas exibidas no filme!

Depois do convite (ou da convocação, no caso de iniciantes muito interessados), chega a hora de preparar o jogo. Após anos de fracassos e sucessos mestrando para iniciantes, cheguei a uma conclusão: é importante saber para quem você vai mestrar. Conhecer o seu público é a chave para ser bem sucedido ao mestrar para iniciantes. O público ajuda a definir o tema da sua aventura; se será mais infantil ou adulta, se será de fantasia ou baseada em um anime, se vai ser de horror ou de super-heróis, se você vai usar dados ou não, etc.

Como um dos objetivos é divulgar o RPG, quanto mais próximo do que o seu público gosta for o tema da sua aventura, mais bem sucedido você será. Se os participantes são fãs de anime, você poderia mestrar uma aventura baseada no anime ou com um clima de anime. Se os participantes adoraram o Senhor dos Anéis, você pode fazer uma pequena aventura na Terra Média, com direito a personagens do filme como Frodo ou Aragorn (ou até mesmo o Gandalf em uma aparição surpresa).

Se você tem um cenário favorito, onde se especializou, procure adaptá-lo aos jogadores iniciantes, observando a idade, os gostos, as referências que possuem e seus interesses. RPG é um jogo de representação de papéis e se os jogadores não tem referências do que estão representando, não conseguirão participar da história e não se divertirão. A adequação dos temas é muito importante, principalmente com os preconceitos sobre o RPG que circulam por aí. Ou seja, temas adultos para adultos. Para iniciantes, eu sempre recomendo temas mais lúdicos e fantasiosos, como fantasia medieval, anime, super-heróis ou horror light, para evitar mal-entendidos e garantir a diversão de todos!

O local do jogo também é importante no planejamento da sessão. Se for um evento de RPG ou de Anime, a aventura terá que ser mais curta. Nesse caso, você poderia levar os personagens já prontos para não perder tempo. Se  a sessão for na sua casa (ou na de um dos jogadores), você terá mais tempo e poderá montar os personagens junto com os iniciantes. Oriente a criação dos personagens sem impor suas opiniões, valorizando as idéias dos novatos e procurando adequá-las com sensatez à sua aventura. Concentre-se mais na história e passe por alto na parte dos números, que é algo que costuma assustar quem nunca jogou RPG.

Se for possível, peça ajuda a um dos seus jogadores veteranos para aparecer na sessão e ajudar na orientação dos iniciantes. Ele pode também participar da aventura e ajudar nas dúvidas dos iniciantes, servindo de exemplo (talvez seja pedir demais!).

Simplifique, não complique. Para jogadores iniciantes é melhor que o jogo seja simples, de fácil entendimento. Tudo que você puder fazer para facilitar será bem vindo: fichas prontas, personagens com biografias e descrição de sua personalidade, regras simplificadas, exemplos de filmes, etc. Por exemplo, no caso do D&D, eu faço fichas especiais para iniciantes com números bem grandes, uma lista reduzida de perícias (apenas as mais importantes em uma aventura simples de exploração, como Ouvir, Escutar, Procurar entre outras), uma lista de magias simplificadas  e selecionadas para serem usadas, etc. O objetivo é facilitar o jogo. Os iniciantes terão muito tempo para aprender as regras no futuro, caso você tenha sido bem sucedido em seu jogo de demonstração.

No caso de RPGs de fantasia, eu procuro sempre esclarecer o que a classe do personagem do jogador iniciante faz em determinada parte do jogo. Por exemplo, eu explico que o clérigo, além de combater junto com os guerreiros do grupo, também os protege de maldições, espantam mortos-vivos e curam feridas, durante as lutas. Ou que o ladino do grupo deveria sempre checar por armadilhas e ver se consegue abrir portas fechadas, dentro das dungeons.

As aventuras devem ser claras e objetivas, fáceis de entender. Missões de resgate, salvamento, ou o famoso “matar-o-monstro” ajudam aos iniciantes a não se perderem na sessão. È claro que uma história bem descrita, com motivações interessantes, mistérios, personagens cativantes sempre fará sucesso, mas o problema aparece quando as  tramas são muito complexas. Lembre-se que os iniciantes estão aprendendo muitas coisas ao mesmo tempo, além de se esforçarem em representar os seus personagens. Se você colocar muitos NPCs, tramas paralelas, etc., eles acabarão desanimando e desistindo de acompanhar a aventura. Ao escutar frases como “nós temos que fazer o quê mesmo?”, simplifique sua aventura.

Capriche na representação! O legal dos jogadores iniciantes é que o mestre pode se soltar, sem sentir aquele olhar de “já vimos isso antes” dos jogadores veteranos. Use e abuse dos seus PMs (personagens do mestre), faça-os interagir com os iniciantes. Tudo para eles é novo: uma compra de poções em uma loja de itens mágicos pode ser um evento interessantíssimo, cheio de oportunidades de representação.

Estimule a representação a todo momento.  Por exemplo, eu costumo criar PMs que são parentes dos PJs (Personagens dos Jogadores), primos, filhos, tios, etc. a fim de incentivar a representação usando uma referência que todo mundo tem: a família. Ao fazer os parentes dos PJs aparecerem antes ou no meio da aventura (eles podem estar bem integrados na trama), os jogadores imediatamente começam a representar, nem que seja para se desculpar a uma mãe a quem não visita a anos! É na representação que está a chave para cativar os novos jogadores.

Diversão é a melhor propaganda do RPG! Se os jogadores iniciantes não estiverem se divertindo, o jogo não está divulgando o RPG. Use de bom senso e sensatez nas suas aventuras, evite criar situações de jogo que deixem seus jogadores muito frustrados. Jogadores experientes sabem lidar com certas situações de jogo (como armadilhas muito cruéis ou itens amaldiçoados irritantes) enquanto os iniciantes ainda estão aprendendo a lidar com seus personagens. Mas também não passe a mão na cabeça deles! O desafio tem que existir, pois sem luta não existe a alegria da vitória. Se um dos personagens dos iniciantes morrer, que seja uma morte justa, dentro das regras. Certifique-se que o jogador entendeu o porquê seu personagem morreu, e ofereça rapidamente outro para ele continuar jogando!

O “depois do jogo” é tão importante quanto o jogo em si. Procure saber o que os iniciantes acharam do jogo, tire suas dúvidas e ajude-os a iniciar seu próprio grupo de RPG se for o caso. Indique ou empreste livros de RPG que eles possam interessar, passe links para sites de RPG e listas de discussão. Muitas vezes, jogadores iniciantes despertam interesse pelo hobby, mas sem uma informação mais direcionada ou alguém para incentivar, acabam desistindo de prosseguir e criar seu próprio grupo de RPG.

Espero que estas dicas ajudem e estimulem os mestres a organizarem grupos de iniciantes para divulgar o RPG. Como diz um antigo provérbio hebreu, o preconceito é o filho da ignorância. Vamos acabar com a ignorância em relação ao RPG!

8 Dicas para Mestrar para Iniciantes:

1) Explique o que é o RPG de maneira simples, usando referências se necessário.

2) Conheça quem são os jogadores iniciantes e adapte o seu jogo ao gosto dos seus jogadores.

3) Adapte a sua aventura ao local e ao tempo de duração da sessão de jogo.

4) Simplifique as fichas, regras e a aventura.

5) Aventuras devem ser claras e objetivas, com desafios justos.

6) Incentive a representação e a interação dos PJs com os PMs e entre si.

7) Procure garantir a diversão e evite frustrações para seus jogadores.

8) Depois do jogo, esclareça as dúvidas, incentive a formação de grupos e oriente na parte dos livros de RPG.

**************************************

Artigos Relacionados:

Como criar personagens inesquecíveis! (Artigos de RPG do Baú do Tio Nitro)

Varie os Temas das Suas Aventuras! (Artigos de RPG do Baú do Tio Nitro)

Criando Personagens com Alma! (Artigos de RPG do Baú do Tio Nitro)

Coloque Terror nas suas Campanhas de RPG de Fantasia! (Artigos de RPG do Baú do Tio Nitro)

Tramas Paralelas: Refinando a sua Campanha de RPG! (Artigos de RPG do Baú do Tio Nitro)

Diversão na Taverna! (Artigos de RPG do Baú do Tio Nitro)

About these ads

12 Respostas para “Como Mestrar para Iniciantes! (Artigos de RPG do Baú do Tio Nitro)

  1. Pingback: RPG for Dummies para jogadores de RPG - 7 Coisas que você NUNCA deve fazer » DADOS LIMPOS·

  2. Uma boa dica pra jogar com iniciantes é usar minis e mapas no estilo DragonQuest,HeroQuest e FirstQuest.Um bom sistema pra isso é o RpgQuest,porque tem um livro com regras simples e vem minis e “peças” de masmorra pra montar os mapas do jeito que vc quiser.

  3. Pingback: 25 textos indispensáveis para Mestres de RPG « Adrenalina Rpg – No Mercy!·

  4. Pingback: “A Queda de um Império!”-27ºEp(FINAL!)da Camp.”Império das Sombras”-Forgotten/D&D4e+fotos! « Nitro Dungeon – Diversão Nerd!·

  5. showzaço, mestro RPG a mas de 1 ano, e apesar de descriminações dizendo que RPG é coisa do demônio ‘-’
    eu vou em frente, rpg nao é nada de demoniaco e talz, quem fala isso concerteza nunca jogou
    mesrtro vampiro a mascara é muito legal, e hoje em dia estou comessando a mestrar digimon 4 ^^
    bem massinha

  6. cara eu tenho uma ovnte imensa de aprender jogar e uetnho o livro mago acenção eu dou u meu livro pra quer me ensinar a jogar e mestra o jogo quem quiser me add no msn e taubatroc@hotmail.com ou mel iguem e 3476 7763 moro em bh bairro castelo meu nome e tauan

  7. Pingback: » 10 mandamentos para incentivar o RPG·

  8. Pingback: Falando com seus Jogadores antes da sessão! | Adrenalina RPG·

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s